Opiniões dos Leitores

Maria Fernanda Almeida

⭐⭐⭐⭐⭐

"Que beleza de livro, imensamente rico em significado e com diferentes níveis de leitura entre realidade e ficção, presente e passado, o público e o privado - “the personal is political” - e que, no seu caso, acho que raramente se separam mesmo. Hats off! Aliás, o site ficou ótimo também." 

 

"(... ) Pensei um pouco mais no romance e realmente acho que ele é único. Quantas mulheres no Brasil já publicaram algo parecido, dentro do mesmo gênero literário? Talvez eu encontre alguns ecos de Clarice nele, mas certamente é um livro único."

Brenda Gottlieb

⭐⭐⭐⭐⭐

"Acabei de ler Como Matei minha Mãe. Delicioso, além de reavivar memórias esquecidas e caras. Acho que foi o primeiro livro que li na vida, onde não encontrei nenhum erro de digitação. Impressionante! Todos têm algum. Pode ser pela narrativa e pelo tema, que acabam fazendo com que a cabeça fique em segundo plano e a emoção em primeiro 😄 Grata!"

Dulce Helena Aranha Prado

⭐⭐⭐⭐⭐

"Brilhante, lúcida, perspicaz!"

M. A.

⭐⭐⭐⭐⭐

"Você é admirável, uma escritora incrível e merece todos os prêmios do mundo. 

 

Seu livro entra nas estranhas e faz com que seja impossível parar de ler.  Ao mesmo tempo é estranho e conhecido. Você tem uma memória impecável e descreve cenas e lugares de muito antigamente.

 

(...) É um alento ouvir falar de ética, 'na alteridade do outros', 'na civilidade' no momento em que vivemos . É um livro duro, mas escrito de uma maneira que a gente tem que ir engolindo e cada vez chegando mais perto.

 

Obrigada pelos momentos de prazer que tive, mesmo se acompanhados de sofrimento."

Patrick Corneau

⭐⭐⭐⭐⭐

"Romance semi-autobiográfico sobre um tema essencial que contém na sua composição e na sua escrita todos os ingredientes do seu sucesso." 

Le Lorgnon mélancolique

⭐⭐⭐⭐⭐

"Com esta semificção plena de reviravoltas de tirar o fôlego, Sheila Leirner lança um olhar crítico sobre a educação: o que nos é dado ou não, o que fazemos com ela ou não. Aqui, ninguém é julgado ou condenado. O leitor é levado, sob a narrativa de uma relação irmão/irmã - e diante de uma catástrofe anunciada, da qual não daremos o spoiler - a refletir sobre o caráter tóxico de certos comportamentos parentais. Com seriedade e dignidade, sem moralização inoportuna, a autora nos leva a reler nossos próprios caminhos na vida e a nos libertar de algumas ilusões falsamente protetoras."

Gracinda Gazzola

⭐⭐⭐⭐⭐

"Ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas pela sinopse do vídeo, muito bonito por sinal, dá para perceber o que nos espera. Sheila sempre nos surpreende com temas audaciosos, singulares,  que nos aguçam a curiosidade de mergulhar e viajar nos seus escritos. Parabéns ❤️"